Sustentabilidade Ambiental

Início / Sustentabilidade Ambiental

  • Consciente das necessidades na área de sensibilização e educação ambiental,a Ecolezíria pretende com este espaço promover um conjunto de princípios orientadores de forma a estimular a proximidade dos cidadãos às questões ambientais. Estes são alguns dos meios de mudança que conduzem a uma melhor atitude, ao comportamento adequado perante o ambiente.

    Viver um estilo de vida sustentável, preservar e proteger o ambiente é também um acto de cidadania. Por isso e no seguimento do desenvolvimento sustentável, a sensibilização ambiental é fundamental para a consciencialização do público em geral, para uma melhoria comportamental do cidadão em específico, o qual desempenha cada vez mais, um importante e vital papel para a preservação do ambiente. Porque reciclar é poupar, é zelar pelo nosso bem estar.

    Sacos Reutilizáveis

    De acordo com a Comissão Europeia, o cidadão médio da UE consome anualmente cerca de 500 sacos de plástico, a maioria dos quais é utilizada apenas uma vez.

    O volume total de sacos de plástico produzidos na Europa, em 2008, foi de 3,4 milhões de toneladas, o que equivale ao peso de mais de 2 milhões de veículos de passageiros. A dimensão e o peso reduzidos dos sacos de plástico contribuem para que estes escapem frequentemente à gestão dos resíduos e acabem no ambiente marinho, onde podem levar centenas de anos até à sua biodegradação final.

    Etiquetas: Educação ambiental

    Factura eletrónica

    Pense na quantidade de papel que gasta em facturas de água, luz, gás, impostos. Porque não tratar de tudo isso através da Internet ?Cada vez mais as empresas apostam nas facturas electrónicas, não só é mais ecológico, como fica muito mais barato para todos ! É fácil, acessível, rápido,cómodo e grátis! Não tem que sair de casa, nem esperar em filas, poupa-se papel, poupa-se no espaço e equipamento para arrumar todas as facturas e até nas impressões! Link text/image

    Etiquetas: Educação ambiental

  • O biogás é considerado um combustível gasoso que possui um conteúdo energético muito elevado, semelhante ao do gás natural. Trata-se de um gás inflamável, produzido por microrganismos através da decomposição da matéria orgânica presente nos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU). O metano é o principal constituinte do biogás. É composto por hidrocarbonetos de cadeia curta e linear.

    Implementação do sistema

    A composição do biogás é: • Metano (CH4): 40 – 70% do volume de gás produzido. • Dióxido de carbono (CO2): 30 – 60% do volume de gás produzido. • Também possui traços de: - Hidrogénio (H2): 0 – 1% do volume.

    Biogás produzido no Aterro Sanitário da Raposa
    Todo o biogás produzido no Aterro Sanitário da Raposa é encaminhado para o motor de 1MW de potência da Central de Valorização Energética (CVE) para transformação em energia eléctrica.

  • Os aterros sanitários são o método de tratamento mais utilizado para a deposição controlada de resíduos. Como resultado do confinamento dos resíduos, existe a produção de biogás e de águas lixiviantes. As águas lixiviantes, ou lixiviados, são águas altamente poluentes pelo que devem ser encarados como um problema ambiental de extrema importância, sendo o seu tratamento necessário. A Ecolezíria utiliza o processo de Osmose Inversa, este apresenta eficiências de 99% na remoção da CQO, CBO5, SST e SSV e uma remoção de azoto total e nitratos que pode atingir os 98 % e os 97%, respectivamente, e limites inferiores de 71% e 91%. A elevada qualidade do efluente tratado por osmose inversa deve-se a remoção dos compostos orgânicos refractários, ou seja, de compostos não biologicamente eliminados. Como pré-tratamento das unidades de osmose inversa, para proteger as membranas contra a formação de “fouling” (termo utilizado para descrever a deposição e a acumulação de constituintes na membrana), são utilizados processos compostos por Filtros de Cartucho e unidade de Ultrafiltração ou Filtro de Areia e Filtros de Cartucho.

    O pré-tratamentoETAL - Aterro Sanitário da RaposaETAL - Aterro Sanitário da Raposa por Filtros de Cartuchos e Ultrafiltração apresentam uma eficiência de remoção da CQO que varia entre os 75% e os 98%, e uma eficiência de remoção de SST de 99%. A ETAL da Ecolezíria possui lagoas de regularização à cabeça, nas quais se verifica a homogeneização e regularização do lixiviado bruto. Estas lagoas alcançam eficiências de remoção que variam entre os 36% e os 71% na CQO e entre os 50% e os 68% na CBO5. As eficiências de remoção dos SST rondam os 55% e os dos SSV os 46%. Ao nível da eficiência de remoção do azoto total, esta varia entre os 4% e os 73%, registrando-se uma menor qualidade do efluente ao nível dos nitratos, resultante da passagem do azoto amoniacal (NH4+) a nitrato (NO3). - Fonte FUNCIONAMENTO DAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS LIXIVIANTES E ACÇÕES PARA A SUA BENEFICIAÇÃO por Levy, João de Quinhones e Santana, Carla.

    A Ecolezíria através dos métodos acima referidos elimina a carga poluente das águas lixiviadas. O nível de enchimento da bacia de regularização é monitorizado diariamente.



    Uma questão de Saúde Pública

    O Aterro Sanitário da Ecolezíria encontra-se dotado de diversas infra-estruturas de tratamento e confinamento de resíduos sólidos urbanos, a ETAL é um dos mais importantes, pois com as águas lixiviantes tratadas cumprimos as metas e valores legislados.

  • Resíduos Indiferenciados - A Ecolezíria assegura a recolha dos resíduos indiferenciados e garante o seu correcto encaminhamento e confinamento em aterro. Este tipo de resíduos são aqueles que não podem ou não são separados pela população.

    Aqui podem conhecer as infra-estruturas que a Ecolezíria utiliza para o tratamento deste tipo de resíduos. Um Aterro Sanitário é uma instalação criada para a deposição segura dos resíduos indiferenciados produzidos pela população. A sua construção obedece a critérios específicos de engenharia e ambientais, com vista à protecção do ambiente da poluição que advém dos resíduos.

    Os Resíduos Sólidos Urbanos vulgarmente denominados por lixo urbano, são em grande parte resultantes da actividade doméstica dos consumidores. Devido à natureza dos materiais que usamos diariamente em nossas casas, a grande percentagem dos resíduos que produzimos é passível de ser valorizada. Ao reciclarmos adequadamente os materiais reduzimos significativamente a quantidade de resíduos enviados para aterro.

    Estações de Transferência

    As Estações de Transferência são instalações localizadas estrategicamente, onde os resíduos indiferenciados são descarregados com o objectivo de os preparar para serem transportados para o aterro por viaturas de maior capacidade. Só são recebidos os resíduos que estão em conformidade com aqueles que são recepcionados e depositados no Aterro Sanitário. Nas Estações de Transferência, as viaturas são pesadas, efectuando-se o registo das quantidades de resíduos, após esta operação as viaturas são encaminhadas, para a zona de transferência, onde é feita a descarga dos resíduos na tremonha e a posterior compactação dos resíduos nos contentores fechados. Os contentores quando cheios são transportados para o aterro sanitário para posterior deposição.

    Aterro Sanitário

    Fases da vida de um Aterro
    Antes da construção do Aterro Sanitário são realizados estudos de aptidão do terreno e análise das incidências ambientais na área de intervençãoAntes da construção do Aterro Sanitário são realizados estudos de aptidão do terreno e análise das incidências ambientais na área de intervenção. Com o objectivo de eliminar qualquer risco de contaminação do solo e da água subterrânea, toda a base e taludes são impermeabilizadas com diferentes camadas de materiais adequados. Os resíduos são depositados no aterro e são espalhados mecanicamente e compactados, de modo a diminuir o volume que vão ocupar. Os resíduos depositados são devidamente cobertos com terra, para evitar a libertação de maus cheiros, diminuir o risco de incêndios e evitar que os resíduos se espalhem. Quando um aterro esgota a sua capacidade de encaixe, procede-se à sua selagem. Após a selagem do aterro a zona é alvo de recuperação ambiental, dando origem a uma zona verde ou a um espaço de lazer. Os lixiviados, resíduos líquidos gerados, são retirados da área do Aterro e enviados para uma ETAL, onde são tratados. O biogás, proveniente da decomposição de resíduos, também é retirado e tratado, podendo mesmo ser efectuado o seu aproveitamento energético.

  • A Ecolezíria assegura a recolha dos resíduos recicláveis e garante o seu correcto encaminhamento para reciclagem.

    Este tipo de resíduos são aqueles que podem ser transformados em matéria-prima para o fabrico de novos produtos. Para que os materiais possam ser reciclados, é necessário que sejam depositados separadamente. Para este efeito, siga as nossas recomendações. Os papéis e cartões podem ser aproveitados para produzir novos papéis. Os resíduos metálicos podem ser recuperados para fundição e fabrico de novas peças. As embalagens de vidro podem dar origem a novas embalagens. Os plásticos podem ser recuperados, fundidos e moldados de novo. O consumidor deve ser atento e responsável, o que significa que, perante cada hipótese de reutilização, deve avaliar as vantagens e desvantagens para si e para o Meio-Ambiente. Conheça aqui as infra-estruturas que a Ecolezíria utiliza para o tratamento e valorização dos resíduos, bem como as regras de utilização das mesmas.

    Ecopontos

    Ecopontos

    Os ecopontos são conjuntos de contentores para recolha selectiva de papel e cartão, embalagens, vidro e pilhas. O amarelo (para as de plástico e metal), o azul (para as de papel e cartão, jornais, revistas e papel de escrita) e o verde (para as de vidro). Os ecopontos estão localizados em pontos estratégicos como escolas, parques, mercados, restaurantes, feiras e junto das nossas casas. Nestas estruturas podem ser depositados diferenciadamente diversos materiais que serão triados para posterior recuperação, reciclagem e/ou valorização. Para saber o que pode ou não depositar nos ecopontos consulte as regras de separação

    Ecocentros

    Cartaxo | Coruche | Raposa | Salvaterra de Magos

    Os ecocentros são áreas vedadas e vigiadas, com contentores de maiores dimensões, que permitem fazer a deposição selectiva de resíduos que, pelas suas dimensões e quantidades, não são passíveis de serem colocados nos Ecopontos nem podem ser recolhidos pelos meios normais de recolha de resíduos. Quando depositamos resíduos nos Ecocentros devemos respeitar alguns princípios orientadores para que a reciclagem seja processada da forma mais correcta, facilitando todo o trabalho inerente ao processo, designadamente:

    • - Levar os materiais previamente separados, de acordo com as diferentes tipologias de material aceites;
    • - Esvaziar previamente as embalagens do seu conteúdo;
    • - Entregar os materiais leves e de pequenas dimensões em sacos fechados e transparentes.

    Não se esqueça: separar para reciclar não significa usar apenas o ecoponto! Para saber o que pode ou não depositar no ecocentro consulte as  regras de separação.

    Estação de Triagem

    A Estação de Triagem é o local onde se realiza a separação e a preparação dos resíduos de embalagens provenientes da recolha selectiva para a reciclagem. Aqui os resíduos são ainda preparados e compactados por tipologias, o que permite não só ocupar um menor espaço de armazenamento, como também menores custos de transporte para as fábricas que reciclam cada um dos tipos específicos de materiais.

    Descarga
    De acordo com o tipo, os resíduos da recolha selectiva têm destinos diferentes: o vidro é descarregado numa plataforma que o armazena até ao seu envio directo para a indústria transformadora.O papel e cartão e as embalagens de plástico e de metal são descarregados separadamente e alimentam a mesa de triagem, isto é, não há mistura dos materiais recolhidos nos contentores azul e amarelo.

    Triagem
    Na mesa de triagem é realizada a separação manual dos diferentes tipos a valorizar através da reciclagem, do papel e o cartão e das embalagens de plástico e metal, respectivamente. No final da linha de triagem, os resíduos resultantes e que não são recicláveis devido à sua tipologia ou materiais contaminantes observados, chamados refugos ou rejeitados, ''caem'' para um contentor e daí são encaminhados para a unidade de prensagem e desta para a deposição no aterro sanitário.

    Após a deposição nos silos, os diferentes materiais são empurrados para o tapete transportador de alimentação da prensa de compactação / enfardamento dos plásticos e papel, que os transforma em blocos (fardos).Os metais seguem para o tapete de alimentação da prensa de metais, que os comprime e agrupa em blocos.Os fardos são arrumados numa área criada para este efeito, zona de armazenamento, até ao transporte para as fábricas de reciclagem.